Para não perder as atualizações, visite todos os dias!
Adicione o Museu Anos 80 aos seus favoritos!




terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Letras de Música dos Anos 80


O que as bandas e cantores dos anos 80 tinham em comum entre si? Tirando o fato de que o habitat inicial de todos foi a “garagem”, nada. Não havia fórmula alguma para o sucesso. As letras das músicas variavam de banda para banda, do político ao cômico, do romântico ao ácido, do punk ao burguês. Talvez, pelo fato de estarem transitando entre a ditadura e democracia, essa foi uma geração que não mediu palavras e atitudes. Na realidade, um punhado de jovens dizendo tudo àquilo que os jovens da época gostariam de falar. Se fizer uma análise de outro movimento musical qualquer, os temas abordados serão praticamente o mesmo, por todos. No Rock Brasil dos anos 80 isso não aconteceu. O que se via era uma salada. Eram jovens se descobrindo, descobrindo a liberdade de expressão, e descobrindo como se fazia música. Além disso, o Brasil é um país de proporção continental. Enquanto surgiam bandas em Brasília, simultaneamente surgiam bandas em Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais e outras localidades. Todas com características diferentes. No rádio pipocavam bandas novas a todo instante, e é bem verdade que muitas destas bandas tinham um único sucesso, mas a soma da obra garantia o espetáculo.

Impossível se falar em letras de músicas dos anos 80 sem falar em Cazuza e Renato Russo. São sem dúvida os maiores porta-vozes daquela geração, assim como foram Chico e Caetano os da geração anterior. Os Titãs, por sua vez, fizeram um primeiro LP tímido, porém, em seguida lançaram o Cabeça Dinossauro, na minha opinião o melhor disco da década, juntamente com o “Dois” da Legião Urbana. Enquanto Renato Russo esbanjava uma poesia impecável, recheada de metáforas, “pintando um quadro” em “Acrilic on Canvas”, os Titãs desciam o pau na sociedade, atacando sem piedade instituições e hábitos, não poupando nem mesmo a “Igreja” Católica. Era justamente sobre essa diversidade que me referi no primeiro parágrafo. E viva a diversidade, pois não existe uma fórmula para a arte, como instituíram nos dias de hoje. Eu não sei quem foi que botou na cabeça de produtores, donos de gravadoras e de rádios que todo mundo tem que cantar e tocar igual. Ninguém quer escutar isso. Uma imitação de Cazuza seria apenas uma imitação de Cazuza. Não teria alma. Mas mesmo assim é difícil imitar um gênio. Por isso, o que vemos hoje são medíocres imitando medíocres. Tamanha a mediocridade, daqui a pouco estaremos batendo pedra no chão e cantando Uga-Uga, imitando nossos ancestrais nas cavernas.

5 comentários:

Luciano Cruz disse...

Olá,tudo bom?
Eu continuo insistindo,este blog deveria virar livro.
Parabéns cara,pela sua competencia q te favoritei aki.
Abração

Thiago disse...

Tenho um Blog sobre ´carros tuning´
com média de 800 visitas dia.
Sei que não é muito.

Podemos firmar uma parceria entre
nossos blogs..

Você está disposto a efetuar parceria?

você pode colocar apenas um link, se vc ver que
meu blog está direcionado um numero bom de visitas
você promove para um banner 120x60 que se encontra
em meu proprio blog http://tuningdub.blogspot.com/

Att
Thiago

Mariii Leite disse...

Sou simplesmente fascinada por tudo que foi produzido na década de 80. Muito bom saber que posso encontrar tudo sobre essa época aqui. Adorei o blog!

Kisstina disse...

Que não seja uma profecia, e que o "Uga-Uga" fique no passado, sendo o início do aprendizado do homem.E que no lugar do cabeludo troglodita venho o menino de olhos tranqüilos que dizia, "ter bondade é ter coragem", ou o romântico rebelde que afirmava "nunca sofri por amor", mas que escrevia o amor com experiência de quem viveu todas as etapas, incluindo o sofrer, ou que venha um maluco beleza que brincava dizendo, "que o mel é doce, é coisa que eu me nego afirmar.Mas que parece doce, isso eu afirmo plenamente", nos fazendo pensar que o doce vai além do paladar.

E como você mesmo falou em imitar, vou seguir a linha e imitar o comentário acima, pra dizer que quando o Museu virar livro vou estar na fila de autógrafos, e que eu também já te favoritei...

Parabéns pelo lindo trabalho...

Júnior Costela disse...

Os anos 80 foram tão bons que, após 20 anos fascina a mulecada de 19! Eu tenho 31 e tudo de bom que me aconteceu, foram nos anos 80. Parabéns pelo blog, adicionado link no meu na boa